A casa Farnsworth - Mies van der Rohe

>> segunda-feira, Julho 25, 2005

Ludwig Mies van der Rohe (1886-1969) é unanimemente considerado um dos mais importantes arquitectos do século XX, tendo sido um dos principais mentores do modernismo. Nascido na Alemanha, em 27 de Março de 1886, viria a desenhar em 1927 um dos seus mais famosos edifícios: o pavilhão alemão para a exposição internacional de Barcelona.

Acabaria por emigrar para os Estados Unidos, em 1937, e foi aí que se tornou verdadeiramente famoso.

Em 1946 a física Edith Farnsworth encomenda a Mies van der Rohe uma casa de fim de semana que fosse "arquitectura séria". Pouco tempo depois Mies apresenta-lhe os primeiros esboços daquele que viria a tornar-se um polémico ícone do modernismo. A casa foi desenhada segundo um conceito que começara a ser desenvolvido num projecto que nunca sería construído, chamado Resor House. A casa Farnsworth foi o culminar deste tipo de experiência no desenho de casas.
Além da imensa paixão que transpira da joia de vidro e aço que é esta casa, há uma história de amor e ódio entrelaçada com a sua criação, que não resisto a contar.

Os planos da casa que Mies apresentou a Edith Farnsworth revelavam o resultado prático do lema do arquitecto: "Less is More". A casa, que aínda é possível ver actualmente, consiste em duas placas de betão, suportadas por oito vigas de aço. Todo o chão está suspenso destas vigas, como se a casa flutuasse sobre o solo que ocupa. A cobertura é uma placa igual à do chão, absolutamente paralela àquela. Todas as paredes são de vidro e não há divisões internas, à excepção de uma estrutura que suporta a área da cozinha, espaço de arrumação e uma casa de banho. O acesso faz-se por um elegante conjunto de degraus que leva ao pequeno terraço da entrada, também coberto.
A doutora Farnsworth aprovou os planos, mas parece que se apaixonou tanto pela obra quanto pelo autor. Foram precisos quatro anos de trabalho para executar um plano que parecia tão simples. Consta que durante esse periodo a sua relação se aprofundou. Os seus encontros eram frequentes e longos, muitas vezes na própria obra. A perfeição com que o projecto foi sendo executado é seguramente fruto de uma profunda paixão, resta saber se artistica, se amorosa.

Quando tudo ficou concluído, Mies deu a Edith as chaves da sua nova casa e a conta do projecto. Consta que se tornou indisponível. Seria para arrefecer o romance ou por se sentir constrangido pelo elevadíssimo valor da factura: 73.000 dólares, o equivalente actual a cerca de 100.000 contos?

Edith Farnsworth processou o arquitecto pelo elevado preço, mas o facto de ter acompanhado tão intensamente a construção pesou contra si e perdeu o processo. Depois escreveu vários artigos contra a casa e contra Mies. Dizia que viver naquela casa não era bem o mesmo que contemplar os seus planos, que as contas de aquecimento eram exageradas, etc, etc.

Irritada com o arquitecto (ou talvez despeitada) disse a quem a quis ouvir, que: "Less is not more. It is simply less!"

Parece que a casa tinha de facto uns bugs, apesar de ter uma construção tão perfeitamente executada, mas é uma obra que transpira a paixão que lhe deu origem e serviu de exemplo para muitas coisas formidáveis que foram construídas posteriormente, até à actualidade, por muitos arquitectos em todo o mundo.

Quem leia o Arrumário há algum tempo, poderá perguntar-se como é que um defensor convicto da construção bioclimática se sente tão atraído por esta casa. É verdade que lhe faltam alguns aspectos fundamentais: paredes com massa térmica, eventualmente paredes trombe, vãos mais reduzidos a Norte, sombreamento das janelas, etc. No entanto há alguns aspectos que são verdadeiramente fascinantes: a ligação visual com o exterior, o facto de a casa estar descolada do solo, a simplicidade das linhas e a continuidade do interior, sem divisões.

Maritz Vandenburg escreveu a propósito da Farnsworth house:
"Every physical element has been distilled to its irreducible essence. The interior is unprecedentedly transparent to the surrounding site, and also unprecedentedly uncluttered in itself. All of the paraphernalia of traditional living –rooms, walls, doors, interior trim, loose furniture, pictures on walls, even personal possessions – have been virtually abolished in a puritanical vision of simplified, transcendental existence. Mies had finally achieved a goal towards which he had been feeling his way for three decades."
Por mais que tentasse traduzir, iria sempre corromper o seu sentido.

Para mais informações, visitem os sites:

http://www.farnsworthhouse.org/history.htm
http://www.designboom.com/portrait/mies/farnsworth.html
http://www.jetsetmodern.com/farnsworth.htm

Gostava de ter podido colocar aqui fotos feitas por mim. Significava que já tinha visitado este formidável simbolo de uma época e de uma filosofia de criação, mas isso não foi possível.

Desculpem a seca.

Como diria o meu grande amigo Soutelinho, que não gosta de blogs: "Não abram a porta a estranhos."

ZM

14 comments:

Quica 7/26/2005 10:48 da manhã  

Pois de seca não teve nada. É até bastante interessante. Bjs

Desconhecida 7/26/2005 11:28 da manhã  

Não me importava nada que fosse minha, bem diferente do que estamos habituados a ver...uma bela casa, mas não Portuguesa, concerteza!
Bjs e boa semana

vela ao vento 7/26/2005 5:15 da tarde  

Primeiro, ainda bem que algumas pessoas abrem as portas !Todos ganhamos com isso.
Este projecto transpira tudo o que pode ser Arquitectura.
Embora defenda que quando se faz algo...tem que ser sempre habitável, mas quem sou eu...perto de Mies Van der Rohe.
É sempre tão subjectivo, o que para uns é aceitável para outros pode ser o extremo do mau gosto.
Para mim, é o que é, um icone da Arquitectura Moderna.
Algo que até hoje conta uma história e há-de contar sempre.
Tudo tem um propósito.

Anónimo,  7/27/2005 8:29 da manhã  

Não percebo nada de arquitectura mas também sou fã do trabalho de Mies. Em Portugal já existem algumas casas com essas linhas modernas, como aquela que se situa próximo da bomba da Repsol na Guia - Cascais. No entanto ouvi dizer que a aceitação destes projectos modernistas nas câmaras não é fácil.

RR

vela ao vento 7/27/2005 3:10 da tarde  

Sim, já começa a existir uma evolução no gosto do português ou melhor, começa a existir uma vontade de qualidade no habitar.Muito mais do que quatro paredes e uma porta.
Semelhanças entre esta casa e a do Souto?...Claro o Souto é um ´seguidor´da obra e pensamento do Mies, como o Siza é do Alvar Aalto.
Mas, apenas seguidor pois estas duas habitações nada tem a ver uma com a outra. ;o)

PS: foi no blog barriga de arquitecto.

mana+,  8/04/2005 4:48 da tarde  

Oh Zé cà estou eu a visitar o teu blog depois de umas férias pelo sul de França!
Essa casa é bestial de linhas,de pureza de formas e num parque magnifico. Para min so falta uma coisa:um enorme buraco(poço?) para onde eu fosse atirando todo o meu "bordel" pois senão em um mês estaria tão cheia de merdas que jà não se veria nada do chão ao plafond!!!
beijocas
Ana

filipa 8/10/2005 6:30 da tarde  

Pois bem...de seca é q este assunto n tem nada.
Parabéns pelo blog e posso dizer que para alguém q em nada está relacionada com a arquitectura vou procurar saber mais sobre a casa. Achei-a linda, e a história que a rodeia muito curiosa.

Antonio Hicks 11/15/2005 4:40 da tarde  

i was just browsing through the blog world searching for the keyword posters and it brought me to your site. You have a great site however it is not exactly what i was looking for. Good luck on your site. sincerely, antonio.

Sarah 5/01/2006 11:55 da manhã  

olá ZM, sou do Brasil. Ainda bem que abriste a porta a estranhos senão eu não teria chegado aqui. Procurava textos sobre a casa Farnsworth e achei teu blog. Não sabia desta estória com a proprietária. Realmente esta casa é plasticamente e conceitualmente primorosa, e desta forma as questões climáticas ficam "meio" que esquecidas. Muito bom o teu texto, gostei bastante, sou arquiteta tb.
Parabéns!
;-)

Anónimo,  8/30/2006 5:45 da tarde  

ola zm, sou do Brasil e adorei esse blog, vou apresentar um seminario sobre essa casa e gostaria de saber se tu tem mas material sobre ela se manda pro meu email por favor.mycherlins@clik21.com.br
bjs.

Anónimo,  3/01/2007 9:41 da manhã  

Sou estudante de arquitetura no Brasil. Estou fazendo um trabalho sobre a casa Farnsworth, e, pesquisando sobre o assunto, encontrei este blog. Não posso deixar de observar o quanto o trabalho de Mies van der Rohe é importante para a arquitetura moderna e contemporânea. Van der Rohe é um ícone da arquitetura, um gênio, e a casa Farnsworth o ponto culminante de toda a sua criação. A propósito, adorei este blog, prometo visitá-lo mais vezes

Helton Goes 9/25/2008 2:15 da tarde  

Amigo, desculpa, mas a Srª Edith Farnsworth era médica, expecializada em pediatria e não física, como você mencionou.

ed 4/09/2009 2:36 da tarde  

情趣商品,情趣用品,情趣用品,情趣,情趣,情趣用品,情趣商品,情趣用品,情趣,情趣,情趣用品,情趣商品,情趣用品,情趣,情趣,情趣用品,情趣用品,情趣用品,情趣用品,情趣用品.情趣,情趣,情趣,情趣,視訊聊天室

麻將,台灣彩卷,六合彩開獎號碼,運動彩卷,六合彩,遊戲,線上遊戲,cs online,搓麻將,矽谷麻將,明星三缺一, 橘子町,麻將大悶鍋,台客麻將,公博,game,,中華職棒,麗的線上小遊戲,國士無雙麻將,麻將館,賭博遊戲,威力彩,威力彩開獎號碼,龍龍運動網,史萊姆,史萊姆好玩遊戲,史萊姆第一個家,史萊姆好玩遊戲區,樂透彩開獎號碼,遊戲天堂,天堂,好玩遊戲,遊戲基地,無料遊戲王,好玩遊戲區,麻將遊戲,好玩遊戲區,小遊戲,電玩快打

情趣用品,情趣,A片,AIO,AV,AV女優,A漫,免費A片,情色,情色貼圖,色情小說,情色文學,色情,寄情竹園小遊戲,色情遊戲,AIO交友愛情館,色情影片,情趣內衣,情趣睡衣,性感睡衣,情趣商品,微風成人,嘟嘟成人網,成人,18成人,成人影城,成人圖片,成人貼圖,成人圖片區,UT聊天室,聊天室,豆豆聊天室 ,哈啦聊天室,尋夢園聊天室,聊天室尋夢園,080苗栗人聊天室,080聊天室,視訊交友網,視訊

借錢,黃金,黃金回收,黃金價格,黃金買賣,當舖

A片,A片,成人網站,成人影片,色情,情色網,情色,AV,AV女優,成人影城,成人,色情A片,日本AV,免費成人影片,成人影片,SEX,免費A片,A片下載,免費A片下載,做愛,情色A片,色情影片,H漫,A漫,18成人

a片,色情影片,情色電影,a片,色情,情色網,情色,av,av女優,成人影城,成人,色情a片,日本av,免費成人影片,成人影片,情色a片,sex,免費a片,a片下載,免費a片下載,成人網站,做愛,自拍

Anónimo,  6/10/2009 5:06 da tarde  

O importante não é saber o que fazia a sra Edith Farnsworth! Ela apenas era a cliente de Mies.
O importante aqui, é a arqutiectura inagualavel desta casa! Os materiais de construção recorridos por Mies!
A leveza e clareza da Farnsworth house!

Enviar um comentário

Sobre este blog

Somos Sintrenses por adopção, daí o frequente interesse por temas relacionados com Sintra. Actualmente, vivemos na ilha Terceira, nos Açores, mais propriamente na cidade de Angra do Heroísmo, o que transformou este blog, de alguma forma, num canal privilegiado para ir dando a conhecer como é a vida no meio do Atlântico.

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP