FATT 2014

>> domingo, Agosto 24, 2014

Este ano participámos no Festival de Didgeridoo de Estômbar, no Algarve. Aqui ficam algumas das fotos que lá fiz. O ambiente era verdadeiramente tranquilo e "cool". Sentimo-nos fora do mundo durante 3 dias. Foi muito bom.





















A galeria completa aqui.

Read more...

Visita à feira de Alcobaça

>> sábado, Agosto 23, 2014

As feiras são um local super fotogénico. As possibilidades são infinitas. Como estou sempre com as crianças, não consigo fazer muito, mas aqui fica uma pequena amostra da última visita à feira de Alcobaça.







Read more...

Matsumoto Zoku

Na sequência de um grande show no Festival de Didgeridoo de Lagoa, sobre o qual hei-de apresentar algumas fotos em breve, fomos esta semana ouvir os Matsumoto Zoku a Lisboa. Às tantas chamaram o grande Kabeção, intérprete nacional de Hand Pan, um verdadeiro mestre. Aqui ficam as fotos que fiz nessa noite.

































Read more...

Mais uma incursão com a D40.

A Nikon D40 é uma máquina excepcional. Sempre o soube, mas nunca tinha tido oportunidade de testar a fundo. O facto de ter pouca distracção tecnológica permite-me uma total concentração no essencial: a composição e a luz. Hoje mesmo, fui ao café na aldeia da Ataíja e o que registei pelo caminho é um interessante retrato do Portugal profundo.

































Read more...

Mais um exemplo (edição com Lightzone)

>> domingo, Agosto 03, 2014





Na sequência do post anterior, aqui fica primeiro o jpg original da D40 e depois a minha versão editada no Lightzone. Acho que estou a chegar lá.

Read more...

Procurando livrar-me do Bill

Um dos objectivos que persigo há já uns anos é o de me livrar da Microsoft. Num contexto em que cada dia há mais software Open Source disponível, e cada vez com mais qualidade, tenho tentado insistentemente substituir o Windows e o Office por qualquer coisa que não tenha que pagar (ou usar pirata, que vem a dar no mesmo). Tenho em casa uma máquina (esta em que escrevo este post) que já uso para muitas coisas, que tem o Ubuntu 14.04 instalado. Tem sido este o meu laboratório de testes na tentativa de chegar a um ponto em que me sinta confortável a prescindir do Windows da outra, a "principal".
Quanto ao Windows propriamente dito, já não me faz falta nenhuma, excepto para poder utilizar softwares que ainda não consegui substituir e que só correm em Windows ou MAC. É disso um incontornável exemplo o Lightroom da Adobe que é de longe o melhor software de edição de fotografia e que não tem ainda um concorrente à altura ou sequer próximo. Há outros softwares que utilizo também no Windows, mas que já consegui instalar "sobre" o Wine (uma camada que mascara o Ubuntu de base, permitindo instalar softwares simples como se fosse sobre o Windows). Neste caso, um bom exemplo é o Sketchup 8, que uso de vez em quando e que já consegui pôr a funcionar no Linux. Há mais dois programas que uso muito e que terei muita dificuldade em substituir: Outlook 2010 e Excel 2010. O Outlook, embora excelente e com funcionalidades que nenhum outro tem, poderei viver sem ele (estou já a usar em "produção" o Thunderbird, com plugin de sincronização com o calendário da Google, que é uma malha), já o Excel, apesar de ter substituto nos Offices Open Source (por exemplo no Libre Office), tem inúmeras funcionalidade que não serão fáceis de igualar.
Então, qual é a solução? Bom, quanto ao Excel, provavelmente terei que manter sempre uma máquina virtual com Windows 7 e com essa ferramenta lá instalada, para os casos raros em que tenho mesmo que o usar. Quanto ao Lightroom, existem ainda duas hipóteses em cima da mesa: ou instalá-lo igualmente numa máquina virtual (já tenho o VMWare instalado e a funcionar no Linux, bem como a Virtual Box da Oracle, ambos bastante bons, ainda não decidi qual usarei no futuro) ou encontrar um software que corra em Linux e que consiga, melhor ou pior, fazer o que faz o Lightroom.
É nesse problema particular que tenho investido tempo nos últimos dias. Tenho neste momento instalados no meu Ubuntu:
1 - Darktable;
2 - Corel After Shot Pro (este em versão demo, uma vez que a definitiva será a pagar);
3 - Lightzone;

É evidente que não conseguirei tirar de qualquer um destes 3 programas, com 3 penadas, uma foto com a qualidade que produzo no Lightroom porque, à partida, precisarei de percorrer a "learning curve", mas esperava conseguir algo razoável com pouco esforço e isso tem-se revelado uma quimera.
Para já, deixo aqui um exemplo de uma foto produzida directamente pelo brinquedo que tenho andado a utilizar (uma fantástica Nikon D40, com lentes do tempo da Maria Cachucha, que me tem dado um gozo do caraças), na versão jpg. E deixo também uma versão que produzi no Lightzone (até agora aquele em que obtive melhores resultados).



A de cima é o jpg directo da máquina, a de baixo é produzida no Lightzone (embora nesta última versão tenha feito um ligeiro crop e endireitado a foto). O que vos parece?
Hei-de voltar ao assunto, eventualmente com as 5 versões possíveis para uma dada foto: o jpg da máquina (no caso da D40, difícil de melhorar no PC), seguido dos resultados no Darktable, Aftershot Pro, Lightzone e Lightroom (na versão 5.5 a correr numa VM).

Read more...

LX Factory in Black and White

>> sábado, Julho 26, 2014

Estive recentemente na LX Factory por razões que não vêm ao caso. É um espaço cuja informalidade me encanta. Percebe-se bem como os regulamentos legais, nos locais onde são respeitados, espartilham a criatividade e impedem a (des)organização orgânica dos espaços. Até as pessoas que por lá andam parecem ajustadas ao informal do espaço.
Dei por lá uma volta, de máquina em riste, e saiu isto. Poderia ter feito muitas mais e melhores fotos. Todo o cenário da LX Factory é fotogénico e inspirador.
Tomara que houvesse mais ilhas destas por essa cidade fora.



















ZM.2014

Read more...

Madalena



Há umas semanas atrás, nas Salinas de Rio Maior.

Read more...

A nova era (e a consequente ameaça ao estado)

>> terça-feira, Junho 24, 2014

Há dias discutimos cá em casa a notícia sobre a resistência que os taxistas estão a levantar à aplicação Uber. Para quem não saiba do que se trata, podem ler uma boa descrição aqui.
Este é apenas mais um episódio numa lógica que tem vindo a crescer e que é a de os cidadãos se organizarem e partilharem serviços que anteriormente apenas eram disponibilizados por profissionais. Isso acontece em inúmeras áreas, como as boleias partilhadas, o arrendamento de casas para férias, os passeios turísticos guiados, etc.
Andemos um pouco para trás. Antes do nosso actual funcionamento ligados em nuvem todos nós já tínhamos beneficiado de uma casa de férias de alguém amigo, a quem pagámos essencialmente as despesas, ou de uma boleia organizada, normalmente com amigos ou conhecidos que se dirigiam ao mesmo local ou evento do que nós, na qual também partilhávamos despesas de deslocação. Os taxistas nunca se manifestaram contra isso. O "problema" é que agora passámos a fazê-lo com desconhecidos, entrando na esfera de concorrência do serviço profissional por eles prestado.
Pergunto-me em primeiro lugar se haverá forma legal de impedir que cidadãos anónimos se organizem, através de redes sociais ou sites dedicados, para partilharem despesas, porque é disso que se trata. Por exemplo, no site Bla Bla Car (no qual eu próprio estou já registado), o preço de uma viagem de Lisboa para o Porto de automóvel, pela autoestrada, é de 15 a 20€ por pessoa. Se fizermos as contas, um carro que leve 3 passageiros (além do condutor e proprietário do carro), não dá lucro a quem fornece o serviço, por isso isto não é propriamente um negócio, é de facto um sistema organizado de partilha de despesas. Suponho que não seja possível o estado meter aqui prego nem estopa.
No caso do Uber, estaremos mais próximo de uma concorrência real ao serviço de taxis, mas ainda assim ninguém ficará rico a disponibilizar boleias dentro das cidades através desta aplicação. O reverso da medalha é que, de facto, o estado poderá vir a perder receita fiscal caso o mercado dos táxis venha a encolher como consequência do aparecimento deste serviço online. E eu acredito que vem por aí muito mais do que o Uber, o Bla Bla Car, os inúmeros sites de arrendamento de casa, e por aí fora.
Nem de propósito, tropecei hoje nesta apresentação de Clay Shirky, que nos fala de como as comunidades cooperativas estão a ganhar força e eficácia, podendo vir a influenciar até a forma como fazemos leis e governamos um país.



Dir-se-ia que os cidadãos se estão a organizar, substituindo funções que estavam anteriormente atribuídas a grupos profissionais ou a departamentos do estado de uma forma menos centrada no lucro ou mais democrática. Isto faz emergir problemas que são novos e que ameaçam de alguma forma a sustentabilidade do próprio estado. Suponho que, pelo menos num curto prazo, ninguém esteja à espera que as grandes infraestruturas estatais possam ser substituídas por cidadãos organizados sobre plataformas de comunicação electrónica. No entanto, a tendência parece ser a de o estado perder realmente receita por via dessa organização informal, embora também possa vir a perder despesa se de facto houver funções hoje estatais que passem a ser disponibilizadas por cidadãos. Acredito que a balança se equilibrará naturalmente, mas temos pela frente um período de ameaça ao status quo.
O que é que eu faria se fosse taxista? Se calhar começava já por aderir ao Uber. Mas reconheço-lhes o direito a recearem o futuro do seu negócio.

Eu acho, sinceramente, que o futuro vai ser francamente divertido.

Read more...

Duas soltas

>> sexta-feira, Junho 06, 2014

Tenho andado com a cabeça (e com o coração) num alvoroço. Não é que ande necessariamente agitado, mas estou num período de profunda indefinição, onde (quase) tudo parece estar em convolução. Por essa razão não tenho produzido conteúdos aqui na tasca. Aqui ficam agora duas imagens muito simples que fiz nas últimas semanas.


Este é um barco construído por mim, com canas encontradas na praia, para navegar no Rio das Maçãs, já mesmo na foz. Foi uma brincadeira com o Lourenço, mas que me fez lembrar as primeiras embarcações deste tipo que construí, em Gerri de la Sal, nos idos de 1975, ainda os animais falavam.


Este é o tecto de um dos templos menos conhecidos de Sintra: capela de S. Lázaro, em S. Pedro. Vale a pena passar por lá a conhecer o local.

Por agora ficamos assim. A ver se volto a trazer mais animação aqui à barraca. Bom fim-de-semana.

Read more...

Mais uma curta visita a um pedaço do paraíso

>> sábado, Maio 10, 2014

Estou cada dia mais convencido de que um dos melhores lugares do mundo para se viver é justamente Portugal. Sinto-me absolutamente privilegiado por ter cá nascido. Na sequência de outros posts (designadamente este) sobre a fabulosa aldeia de Salavessa, junto ao Tejo (do lado Sul, encostada a Espanha), aqui ficam mais 3 imagens que fiz um dia desses naquele pequeno pedaço do paraíso. Se eu pudesse viver em mais do que um sítio, viveria uma parte do tempo aqui, seguramente (o resto do tempo viveria em Sintra, onde vivo habitualmente, claro).





Read more...

Três de Sintra

>> sexta-feira, Abril 18, 2014

Uma breve passagem pela Vila Velha, na Sexta-feira Santa rendeu-me esta tripla colheita.







Desejo a todos umas óptimas férias da Páscoa.
ZM

Read more...

Para ir à Lua pelos ouvidos!

>> quarta-feira, Abril 02, 2014

Read more...

Lourenço em modo despenteado

>> segunda-feira, Março 24, 2014

Read more...

Love

>> quinta-feira, Março 06, 2014



Obrigado, meu amor.
Beijo.
ZM

Read more...

Sobre este blog

Somos Sintrenses por adopção, daí o frequente interesse por temas relacionados com Sintra. Actualmente, vivemos na ilha Terceira, nos Açores, mais propriamente na cidade de Angra do Heroísmo, o que transformou este blog, de alguma forma, num canal privilegiado para ir dando a conhecer como é a vida no meio do Atlântico.

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP