Fotos de família. Abril 2016

>> sábado, abril 23, 2016


Esta foi já há umas 2 semanas, num conjunto de calhaus mesmo encostado a Adrenunes.


Um teste de retrato, com a 50mm. Não gosto muito da luz do lado esquerdo, mas gosto do aspecto da moça.


Uma outra visita a Adrenunes, com uma simpática pandilha.


Lourenço, nos caminhos da aldeia.


O novo interesse do Lourenço: uma espécie de tenda feita de canas.

Read more...

Lunchtime Photography XI

>> quarta-feira, abril 20, 2016



Cogumelos.

Read more...

Lunchtime Photography X

>> sexta-feira, abril 15, 2016




O fabuloso catamaran de duplo mastro "Etoile Magique", uma embarcação de mais de 80 pés, uma brutalidade.

Read more...

Projecto Almoçageme. Março 2016

>> terça-feira, março 29, 2016







Read more...

Sessão de retrato. Ataíja. Alcobaça. Páscoa 2016.

>> domingo, março 27, 2016



















Read more...

Buddha Eden - Bombarral

>> sábado, março 26, 2016

Ontem fomos visitar o Buddha Eden, do Berardo, no Bombarral.
Fiquei com uma opinião francamente negativa sobre aquele espaço e sobre a forma como é explorado, mas isso agora não vem ao caso.
Ficam aqui umas fotos que fiz por essa ocasião.































Read more...

Hands


A mão do Lourenço no meio das de ferro, no Buddha Eden, no Bombarral.

Read more...

Uma estupenda tarde de Sábado nos Sete Nomes

>> quinta-feira, março 17, 2016

No Sábado passado, passámos uma bela tarde na Quinta dos Sete Nomes, perto da Praia Grande. A nossa família tem lá uma horta biológica e fomos convidados para o aniversário de uma pessoa que também frequenta o espaço.

Entretanto, houve sessão de panificação, com o famoso António. Os pães são feitos sem trigo. Têm uma digestão muito mais fácil e são muito mais saudáveis. No caso em apreço, o que vemos são pães feitos com milho e espelta e com batata doce e espelta. Têm glúten na mesma, mas é muito menos agressivo do que o do trigo.

Depois de contemplarmos o fogo do forno do pão, fez-se uma fogueira e os putos lá andaram de roda dela.

















Read more...

O ensino doméstico, visto pelos "doutores".

>> segunda-feira, março 14, 2016

O Expresso publicou online (não sei se também em papel, porque a edição em papel desta semana, que eu por acaso comprei, não a tem) uma reportagem sobre o ensino doméstico, muito centrada na abordagem do que chamamos “unschooling”. Podem lê-la na integra aqui.
Curiosamente, muitas das fotografias que ilustram o texto incluem a minha mulher e os meus filhos, bem como vários amigos nossos. Isso deveu-se a uma coincidência que foi a de eles estarem de visita à Agnes, na Lousã, no dia em que foram feitas as fotografias naquela área.
No nosso caso, para quem possa não saber, temos uma filha de 13 anos numa escola pública, na região de Sintra, e os restantes 3 em ensino doméstico (apenas um no 4º ano, os outros dois, de 5 anos e de 8 meses, ainda fora do percurso escolar propriamente dito).
Cá em casa, o ensino doméstico surgiu na sequência de algumas experiências muito negativas em escolas públicas nos Açores, mas, depois de muita leitura e investigação, tornamo-nos adeptos da não frequência da escola até uma determinada idade. Não vou estar aqui a elencar as inúmeras vantagens de manter as crianças na família em lugar de as enviar diariamente para a escola porque não é esse o objectivo deste post. Esse debate poderá ficar para um post futuro, caso se levante a famosa “vaga de fundo”.
No artigo do Expresso, que eu pretendo analisar aqui, é dito ainda muito no início que “Os especialistas parecem estar de acordo: ir à escola é (quase) sempre o melhor.” Vá lá que sempre puseram o quase, embora entre parêntesis. Nós, que temos já uma longa experiência de ensino doméstico e que temos sobre o assunto lido e discutido bastante, temos o descaramento de dizer que os especialistas sabem pouco (ou nada) sobre o assunto. Viram, também usei os parêntesis.
O Mário Cordeiro ainda diz que “os resultados até podem ser bons”. Até podem ser. Já o Eduardo Sá, que demonstra aqui uma estupenda capacidade de opinar sobre o que não conhece senão dos manuais académicos, opina que “tenho a noção da preciosidade que significa ter aulas e professores”.
Pelo menos valoriza “a necessidade de repensar a escola como hoje se conhece.” Já é alguma coisa.
Não será certamente por acaso que o número de crianças em ensino doméstico parece estar com um crescimento constante e – dir-se-ia – explosivo.  Essa tendência poderá começar a revelar-se assustadora para quem defende o modelo de educação escolar vigente, que é para muitos totalmente arcaico e desajustado.
Segundo o artigo, “Proteger as crianças sim. Protegê-las demais, nunca, afirma Eduardo Sá. O psicólogo teme que o crescimento da tendência do ensino doméstico possa criar uma geração com alguma imunodeficiência adquirida.” Para mim, este é o momento em que entro em total desacordo com o famoso psicólogo. Como é que se pode dizer que ter as crianças a viver no seio da comunidade, convivendo diariamente com toda a gente, de todos os tipos e idades é estar protegido e estar todo o dia enfiado num recinto vedado em que não se convive com mais ninguém além dos funcionários, professores e pares é estar mais imunoestimulado, se me permitem a expressão? Imunodeficiência, na minha leitura, é manter presas as crianças dentro de um recinto vedado, não lhes permitindo a saída nem com a autorização dos pais durante o horário lectivo. Sei do que falo porque, como referi, temos uma filha numa escola pública da qual não está autorizada a sair excepto no final do seu horário, mesmo que nós desejemos outra coisa.
Ambos os “especialistas” referem que os estabelecimentos de ensino são um meio plural e de socialização. A mim, dá-me vontade de rir. Os estabelecimentos de ensino (pelo menos os que conheço) são apenas lugares onde a convivência converge exclusivamente para os pares, com tudo o que isso acarreta de distorção na formação das crianças. Já para não falar do afastamento em relação aos adultos de referência (em princípio, os pais), deixando-os perdidos e inseguros.
Finalmente, o argumento de sempre, neste caso proferido por Mário Cordeiro: “tem de pensar que vive num sistema que, errado ou certo, é onde a criança vai viver.” Ora, como o sistema social que temos violenta em muitos aspectos aquilo que consideramos que deveria ser o óptimo, vamos todos submeter as crianças àquilo com que não concordamos, para que não fiquem com “problemas de integração”. Se, por hipótese, houvesse o estranho hábito de enfiar pontapés na boca das pessoas a partir de certa idade, começávamos logo de pequeninos a partir-lhes os dentes à biqueirada para não terem problemas de integração. Não será mais útil e interessante discutir e combater aquilo que achamos que não está correcto?
Tal como em muitos aspectos me parece que os profissionais da medicina, hoje, se baseiam exclusivamente nos manuais, passando ao lado de muitas coisas que podiam ser positivas para a saúde das pessoas, apenas porque a “ciência” não as estudou e documentou, encontro nos supostos especialistas em educação exactamente o mesmo defeito: se não está no manual, não é válido. Com a agravante de muitas das vantagens do ensino doméstico e – pior – das desvantagens do ensino escolar estarem actualmente muito bem documentadas em inúmeras obras de autores reconhecidos e credíveis.
Se os nossos “especialistas” as continuam a ignorar, para além dos testemunhos de quem pratica formas de ensino “alternativas”, isso só pode dever-se a uma de duas coisas: ou ignorância ou preconceito.

PS: perdoar-me-ão que acrescente à minha reacção ao artigo do Expresso um texto de um conhecido cronista da concorrência: O miúdo do momento. Parece-vos a descrição de uma criança "imunodeficiente" em termos de "socialização"? Será este o retrato isento de uma criança insegura e com sérios problemas de relacionamento com os demais? Ou será que os "especialistas" estão a precisar de sair do gabinete, para variar?

Read more...

Lunchtime Photography IX

>> quinta-feira, março 10, 2016





Duas fotos feitas, mais uma vez, com a fantástica D40, com uma antiga lente que nesta máquina é de focagem manual e agora editadas no Lightroom. A luz estava magnífica.

Read more...

Sobre este blog

Somos Sintrenses por adopção, daí o frequente interesse por temas relacionados com Sintra. Actualmente, vivemos na ilha Terceira, nos Açores, mais propriamente na cidade de Angra do Heroísmo, o que transformou este blog, de alguma forma, num canal privilegiado para ir dando a conhecer como é a vida no meio do Atlântico.

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP