Utopia ?

>> segunda-feira, novembro 05, 2012



Eu sei que faltam aqui umas variáveis, nomeadamente saber quem e como sustenta as funções sociais do estado numa economia descentralizada, mas num cenário de catástrofe económica ambiental e social, talvez valha a pena seguir este plano. Há muito que percebi que a fábula do crescimento eterno não tem um final feliz. Tem que haver outros caminhos.

2 comments:

RS 11/05/2012 2:45 da tarde  

Com a tua licença:

"Todavia o conceito de crescimento económico capitalista, utilizado pelas classes dominantes para confundir e controlar ideologicamente as massas, está condenado ao fracasso. Porque deliberadamente ilude o crescimento das assimetrias na distribuição de rendimentos entre países e entre classes sociais. E ilude também o facto insuperável que o crescimento material sem restrições, numa economia já globalizada, está limitado pelas capacidades do planeta Terra. A questão central que está colocada não é o crescimento económico permanente e universal, desligado e em contradição com o desenvolvimento socialmente necessário, mas sim a gestão racional e planificada dos recursos, de acordo com as necessidades de desenvolvimento económico e social, e a redução das assimetrias na distribuição de rendimentos num mundo profundamente desigual e injusto."

(das Teses em debate para o XIX Congresso do PCP).

Desculpa, mas achei que se adequava (adequa) inteiramente ao teu post.

Quanto a quem paga a resposta só pode ser "quem pode". Através de um sistema de impostos que dê expressão prática ao que está na constituição espezinhada mas em vigor:

"O sistema fiscal visa a satisfação das necessidades financeiras do Estado e outras entidades públicas e uma repartição justa dos rendimentos e da riqueza."

Repara: a CRP define o sistema fiscal como um mecanismo de "repartição justa dos rendimentos e da riqueza".

O que se passa hoje é o inverso absoluto. O sistema fiscal asfixia os mais pobres e permite aos mais ricos abocanhar, a preços miseráveis, as partes mais apetitosas do sector empresarial do Estado. Daqui a nada as funções sociais do Estado também.

É preciso fazer uma ruptura radical (na raiz) com este rumo...

Alex,  11/06/2012 9:12 da manhã  

May I be shallow? I wish I could draw like that!

Enviar um comentário

Sobre este blog

Somos Sintrenses por adopção, daí o frequente interesse por temas relacionados com Sintra. Actualmente, vivemos na ilha Terceira, nos Açores, mais propriamente na cidade de Angra do Heroísmo, o que transformou este blog, de alguma forma, num canal privilegiado para ir dando a conhecer como é a vida no meio do Atlântico.

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP