Borla de Domingo no Castelo dos Mouros

>> terça-feira, setembro 17, 2013

Conheço muita gente que, morando em Sintra, nunca visita os seus monumentos. Como se o facto de os terem à mão de semear os deixasse sempre para segunda prioridade. Connosco passa-se rigorosamente o oposto. Como ainda por cima temos entrada gratuita aos Domingos de manhã, é frequente aproveitarmos a borla e vamos circulando de monumento em monumento, de jardim em jardim, de palácio em palácio e até agora não nos cansámos. Desta vez, fomos aproveitar para conhecer a última intervenção no Castelo dos Mouros, juntando-lhe o atractivo da exposição de Marrocos no seu interior. Apesar do excesso de gente, foi mesmo assim bastante divertido. Não desgosto da intervenção, por muito discutível que possa ter sido o processo que lhe deu origem. Aqui ficam algumas fotos.

DSC_9436

DSC_9439
Quem se lembra deste espaço?

DSC_9440
A presença dos Mouros.

DSC_9441
Idem.

DSC_9442
Os rapazes no alto de uma pedra.

DSC_9443
Os copinhos para o chá.

DSC_9446
As cores de Marrocos davam muita vida àquele espaço.

DSC_9444
A foto de família possível. A ideia era termos também no enquadramento o nosso pequeno selvagem, mas ele optou pelo boicote e não tivémos forma de o convencer a participar.

Read more...

Stairway to heaven

>> segunda-feira, setembro 16, 2013

DSC_9410-Edit
Alcobaça, Agosto de 2013

Read more...

Música do paraíso

Read more...

Mais um impressionante discurso sobre o actual modelo de escola

>> quinta-feira, setembro 12, 2013

Read more...

A Escola da Ponte


(via 10 mil insurrectos)

Reportagem TSF sobre essa mesma escola aqui.

Sabemos que isto funciona. Sabemos que a generalidade das pessoas tem medo disto. É natural.
Temos que ter paciência, isto há-de ser o "normal" daqui a uns tempos.

Read more...

Convenções e tolerância

Um dia destes passei de carro em frente à casa do famoso Castelo Branco. Reparei numa figura, debruçada no interior do seu Jaguar, estacionado à porta, estando apenas visível um longo par de pernas que terminavam num elegante par de sapatos de salto alto, daqueles de agulha, bem altos. Pareceu-me, contudo, que alguma coisa ali não batia certo e quando passei junto da figura, reparei que se tratava exactamente do próprio Castelo Branco.
Fiquei a pensar na forma corajosa como esta personagem faz o que lhe dá na gana, independentemente das convenções e do que os outros digam ou pensem. Afinal, por que raio de carga de água não há-de um homem usar saltos altos se se sentir bem com isso?
Do que tenho conhecido da personalidade e da forma de estar na vida deste Castelo Branco, diria que não é pessoa com quem desejasse conviver regularmente, mas saúdo a forma como desfaz as convenções no que diz respeito a roupas e adereços de moda.
Sou cada vez mais tolerante com este tipo de diferença. Quem sou eu para julgar a apresentação ou a forma de vestir de quem quer que seja?

Read more...

Tomai lá meia-hora de intenso prazer

>> domingo, setembro 08, 2013


Nils Frahm em grande nível.
Bom Domingo.

Read more...

Lubomyr Melnyk

>> sexta-feira, setembro 06, 2013



Uma nova descoberta, que me aquece os ouvidos enquanto trabalho.
Foi-me trazido via Vidro Azul, uma mina a explorar com atenção.
Quanto ao pianista, tem site próprio, com música disponível. A ouvir, a ouvir.

Read more...

A morte pacificada.

>> domingo, setembro 01, 2013

Henrique Monteiro, cujo pensamento está em geral nos antípodas do meu, escreve esta semana no Expresso uma nota que merece ser divulgada:

"Houve tempos em que a morte de um homem, por mais controversas que fossem as suas ideias, servia para aplacar ódios pessoais e políticos, pelo menos na esfera pública. Hoje, já nem se concede essa benesse a quem parte. António Borges pensava de forma diferente e já em vida pagou cara essa ousadia. A intolerância, mesmo perante a morte, dos que se tomam por donos da verdade, é um sinal perturbador, especialmente numa sociedade em crise de valores. Nele está a génese de todos os totalitarismos."

Leio comentários e opiniões relativas à pessoa que parte e penso sempre que não gostaria de estar na pele da sua família que, além do desgosto de perder alguém que estima, tem ainda que se proteger da verve mal educada de tanta gente sem a mínima sensibilidade.

E confesso que uma das coisas que mais me assustam e me entristecem é perceber que continua a haver tanta gente incapaz de controlar o seu ódio, tantas vezes sem razão real, apenas pelo que ouve dizer ou lê nas notícias. Essa energia negativa à solta não ajuda nada o Cosmos a endireitar-se.

Read more...

Sobre este blog

Somos Sintrenses por adopção, daí o frequente interesse por temas relacionados com Sintra. Actualmente, vivemos na ilha Terceira, nos Açores, mais propriamente na cidade de Angra do Heroísmo, o que transformou este blog, de alguma forma, num canal privilegiado para ir dando a conhecer como é a vida no meio do Atlântico.

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP