Ao menino e ao borracho...

>> segunda-feira, Abril 23, 2012



No fim-de-semana tive a sensação de ter um anjo da guarda a olhar por mim.
Numa ocasião, saí de casa, coloquei o telemóvel e a carteira em cima do tejadilho do carro (sim, eu sei que é um erro clássico, a não cometer), para sentar o Simão na cadeira respectiva, perdi-me naquele stress da chucha e das fraldas, arranquei com o carro e siga a briga. Passadas já 3 rotundas, a Raquel, ao meu lado, recebe uma chamada de uma colega minha do escritório. Quando percebi quem era que ligara, dei uma palmada na testa e disse doohh!!! (tipo Homer Simpson), encostei o carro, à espera de encontrar um tejadilho vazio, mas... lá estava a carteira e o telemóvel direitinhos onde os tinha colocado anteriormente. A minha condução "à velho" terá de alguma forma contribuído para que as coisas não tombassem, mas foi obra de um anjo da guarda atento.
Passada uma meia-hora deste fortuito evento, estava a tomar conta do acelerado Simão, que brincava à porta da Feira da Saúde, em Angra. Ele aproximou-se da escada de acesso ao espaço onde decorria a feira e eu vi de repente o filme todo. Deu um salto no primeiro degrau e despenhou-se em direcção aos seguintes, num mergulho que teria tido consequências dramáticas, não fosse eu ter-me atirado à guarda-redes e colocado a minha mão entre o seu rosto e a esquina do degrau onde ele se preparava para deixar os dentes. A queda terminou sem mais consequências, mas fiquei a tremer das pernas.
Finalmente, no dia seguinte, Domingo, tinha no planeamento do treino para o UTSM o meu mais longo treino de todos os tempos: 50km, em cerca de 5 horas. Acordei às 6:30h da manhã e às 7:30h comecei a correr em direcção à Serreta. O dia foi aclarando e fui brindado com um dos mais belos dias de Abril a que se terá assistido na Terceira em toda a história da humanidade. A vista para S. Jorge e Pico era de uma definição que parecia que se poderia lá chegar a nado. Acabei por correr até ao miradouro do Raminho e ainda mais um pouco até à fajã da Serreta, voltando tudo para trás até Angra, com um estranho prazer a vibrar-me nos ossos, e com o olhar cheio de um cenário de mar e verde me foi ficando gravado ao longo das mais de 5 horas de "viagem".
Andei todo o fim-de-semana lado a lado com o meu anjo da guarda. Deve estar cansado.

Read more...

Educação: a noite e o dia

>> terça-feira, Abril 17, 2012

A noite, via Profblog
(link via InConcreto)

Chegámos a uma situação em que é de mau tom afirmar aquilo que todos conhecem: há crianças muito inteligentes, outras que o são medianamente e outras ainda que são muito lentas a aprender. E há crianças que se esforçam muito, outras que se esforçam pouco. E há algumas que adoram aprender e outras que se cansam facilmente.
Justamente por isso é que o ensino não pode ser o dos exames da quarta classe, iguais para todos. Eu não gosto de falar de ensino, porque a escola deve ser mais do que isso, deve ser educação. E a educação não pretende preparar as pessoas exclusivamente para uma profissão, pretende preparar para uma vida feliz e desenvolver as apetências e potencialidades de cada um, diferentes de pessoa para pessoa.

E, por fim, há crianças que adoram a escola e outras que a detestam.
Porque a escola está direccionada para os primeiros e desajustada para os segundos. Será que a solução é rejeitar estes?
Triste mundo será o nosso quando as escolas só servirem para ensinar pessoas a desempenharem profissões, sobretudo num tempo em que as profissões estão a mudar a um ritmo tão acelerado.

O dia, via Companheiro Vasco

Revejo-me muito mais neste projecto educativo:

Como cada ser humano é único e irrepetível, a experiência de escolarização e o trajecto de 
desenvolvimento de cada aluno são também únicos e irrepetíveis.

As necessidades individuais e específicas de cada educando deverão ser atendidas 
singularmente, já que as características singulares de cada aluno implicam formas próprias de 
apreensão da realidade. Neste sentido, todo o aluno tem necessidades educativas especiais, 
manifestando--se em formas de aprendizagem sociais e cognitivas diversas.

O problema é que este modelo dá muito mais trabalho. Não bastará ensinar o que vem nos livros e fazer um exame para saber se empinaram ou não.

Read more...

Soltas do fim de semana

>> segunda-feira, Abril 16, 2012

DSC_5945
A nossa querida amiga (quase filha) Íris, com a Graciosa ao fundo, fotografada num miradouro especial, perto da Estalagem da Serreta.

DSC_5946
Fajã da Serreta, com S. Jorge e o Pico no horizonte.

DSC_5947
Luz e sombra.

DSC_5948
Geocaching nas Doze Ribeiras, com bird watching de bónus.

DSC_5949
Raquel, a pensar na vida. Doze Ribeiras.

DSC_5953
Luz e sombra.

DSC_5944
Já há muito que não conseguíamos fotografar a família toda. Aqui fica o registo.

Read more...

>> domingo, Abril 15, 2012


Texto interessante, sobre uma palestra de Eduardo Sá, num colégio, em Faro (via Colher de Mãe, por sua vez via Ensino Privado), de onde destaco o seguinte:
Sempre que namoramos mais um bocadinho, casamo-nos mais um pouco e sempre que deixamos de namorar, divorciamo-nos em suaves prestações”, concretizou a provocação, considerando o casamento tão sagrado como frágil. “É uma experiência sagrada porque duas pessoas que decidem comungar-se é uma experiência tão preciosa que é sagrada, mas é frágil porque, às vezes, os pais estão tão preocupados com a educação dos filhos que se esquecem de namorar todos os dias”, lamentou, lembrando que “pais mal-amados tornam-se piores pais”. “É fundamental que a relação amorosa dos pais esteja em primeiro lugar, antes da relação dos pais com as crianças”, sustentou.

e a lógica, agora pouco na moda, de promover o ensino agradável e sem esforço:
A terminar, defendeu ser possível “ter sucesso escolar” e “gostar da escola”. “Tenho esperança que um dia as crianças queiram fugir para a escola”

PS: Já sei que não posso ver nada :-)

Read more...

Menos carne, mais hortas

>> quinta-feira, Abril 12, 2012



Aqui diz-se, entre outras coisas, que mais de metade da população mundial vive hoje nas cidades, mas que a área necessária para agricultura, para alimentar toda essa gente, é 60 vezes superior à das próprias cidades.
Diz-se que a agricultura é hoje responsável por 30% do total de emissões de gases com efeito de estufa, uma percentagem superior à do sector dos transportes ou da produção de energia eléctrica.

Nos Açores, onde me encontro, 42.28% do solo estão ocupados com pastagens, 14.14% com uso agrícola, 22.23% são florestas e apenas 12.78% é vegetação natural. Se somarmos a área de pastagem com o solo agrícola, temos 56.42% do total do território. Já para não falar das emissões de gases com efeito de estufa que a mono cultura da vaca origina.

Cada um terá que fazer a sua parte, mas é garantido que, por decisão própria ou à força de consequências disruptivas, todos teremos que comer menos carne e lacticínios no futuro. Eu prefiro ir empreendendo esse caminho pela minha própria vontade. O outro aspecto importante são as hortas caseiras, que hoje muita gente cultiva (nos dois sentidos do termo). Há um planeta para salvar, e há formas simples de contribuir para isso. Estamos a fim?

Read more...

Adenda à entrada anterior

what. the. f?ck.

Homofóbicos escondem atração por pessoas do mesmo sexo

Coisas Sérias: Chiado, Gays e o arquitecto Saraiva

Read more...

Homofobia

A propósito desta crónica do inenarrável arquitecto Saraiva, o Bruno Nogueira responde assim.
Pessoalmente, e porque há muito que percebi que o arquitecto Saraiva não está bem da cabeça, deixei totalmente de procurar ler o que ele vomita, mas neste caso, por ter ouvido a resposta, fui depois ler a crónica original e fiquei verdadeiramente surpreendido, para não dizer mal disposto.
Podia dizer muita coisa sobre aquele texto execrável, mas resumo tudo numa única afirmação:
Tenho 3 filhos amorosos e aquilo que seria um profundo desgosto não era que qualquer deles fosse homossexual, era saber que algum tinha escrito um texto como o do arquitecto Saraiva. Isso sim, seria desgosto para me pôr à beira do suicídio.

PS: aplaudo de pé a malha de cachaporra que o Bruno Nogueira avia no arquitecto.

Read more...

Mais 3 do Relvão

>> sábado, Abril 07, 2012

DSC_5879
Um casal com um aspecto particular, no Relvão, Terceira.

DSC_5880
O despontar da Primavera.

DSC_5895
Detalhe, Relvão, Terceira, Açores, Portugal.

Read more...

A visita das primas

DSC_5843
Ìris, a prima.

DSC_5848
Os 5 primos (ficou outro no continente) e a amiga Íris, já habitual neste espaço.

DSC_5854
Pic-nic no Relvão (Carrão, segundo o Simão).

DSC_5857
Por falar em Simão, aqui está ele, com os faróis acesos.

DSC_5861
A célebre "aranha" do Relvão.

DSC_5864
O Simão no escorrega.

DSC_5866
A bandeira.

DSC_5869
O Simão, de novo.

DSC_5870
Agora, temos a prima Íris.

DSC_5872
O Lourenço a guerrear.

DSC_5877
Mais ou menos o mesmo.

Read more...

Fotos de família

De vez em quando, lá vai um post com fotos de família. É para ir actualizando os que estão longe (embora quem esteja longe sejamos nós). Cá fica mais uma curta série.

DSC_5821

DSC_5822

DSC_5828

DSC_5838

DSC_5841
Esta ilustra a habitual performance teatral de quando se juntam muitos por cá. Neste caso, além dos nossos 3, tinhamos cá as 2 primas e mais a amiga Íris.

DSC_5831
Esta é de uma aventura de geocaching, há cerca de uma semana.

Read more...

Carne?

>> sexta-feira, Abril 06, 2012


Se não houvesse já razões que chegassem para reduzir ou eliminar o consumo de carne, aqui fica mais uma.
O melhor mesmo será pedirem hamburguers no talho, com carne picada na hora, de uma peça que esteja exposta.
Talvez melhor ainda, eliminar o consumo de carne, que é o que temos vindo a fazer cá em casa. Estamos quase lá.

Read more...

Visita de amigos

>> quinta-feira, Abril 05, 2012

Há pouco mais de uma semana tivémos por cá a visita do José e da Isabel.
Encheram-nos a casa de "boa onda".

Aqui ficam alguns registos soltos do que se passou por cá.




Read more...

Abaixo o consenso

>> terça-feira, Abril 03, 2012


Revejo-me neste discurso do Daniel Oliveira.

Read more...

Tenho as pernas aos saltos

Quem pratica desportos com intensidade e paixão sabe bem o que é a "tesão" do corpo para saciar o vício. Se vejo vídeos de escalada em rocha, e apesar de já não escalar rocha com regularidade, fico com as mãos cheias de água. É a "tesão" da rocha, que nunca me abandonou. Agora, olhando para este gráfico e tendo na cabeça imagens fotográficas de muitos dos locais que esta corrida percorre, tremem-me as pernas, como se fosse um cavalo de corrida na linha da partida.


(Per)correr 100km no cenário magnífico da Serra de S. Mamede, por caminhos pouco frequentados, será (espero eu) um prazer inesquecível. Falta pouco mais de um mês. Estou ansioso pela partida.

Read more...

Nobreza

>> segunda-feira, Abril 02, 2012

Na sequência deste post, e agora já encostado ao final do livro, deixo-vos aqui outra tirada que achei curiosa:

"A verdadeira nobreza, sei-o agora, é isto. É caminhar toda a nossa vida com passos certos, com passos que nos saiam do coração; é os nossos actos estarem de acordo com as nossas ideias, mesmo que o preço seja alto. E não impor essas ideias a ninguém, e ser modesto e compassivo na nossa grandeza."

Parece-me um bom lema de vida.
Boa semana aos meus leitores.

Read more...

Sobre este blog

Somos Sintrenses por adopção, daí o frequente interesse por temas relacionados com Sintra. Actualmente, vivemos na ilha Terceira, nos Açores, mais propriamente na cidade de Angra do Heroísmo, o que transformou este blog, de alguma forma, num canal privilegiado para ir dando a conhecer como é a vida no meio do Atlântico.

  © Blogger template Simple n' Sweet by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP